segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

VINTE ANOS DA TRAGÉDIA!


Há 20 anos – 22 de Dezembro de 1994 - uma tragédia deixou órfão o rádio esportivo do Brasil. Osmar Santos se acidentava e sua voz se calou. Lembro-me dos momentos alegres que passei  com Osmar Santos, o Bodão, como nós o chamávamos na Jovem Pan. Ele chegou a emissora em 1972 e eu em Janeiro de 1973. Criamos uma amizade profunda dentro e fora da rádio. Almoçávamos juntos quase todos os dias. Trocávamos ideias sobre o que deveria ser feito ao longo da programação esportiva da Jovem Pan que o tornou o primeiro locutor e chefe da equipe em 1973 com a saída de Willy Gonser. Fizemos as coberturas do carnaval a partir de 1973 no Rio de Janeiro e estivemos na grande cobertura da Copa do Mundo de 1978. Depois do acidente estive com Osmar diversas vezes. Conversamos em muitas ocasiões por telefone.
Em 2011 nos encontramos na Pinacoteca do Estado em São Paulo e ele ficou muito feliz em rever minha esposa e meu filho. Quando vimos o Osmar num dos corredores da Pinacoteca fomos ao seu encontro e ele sem qualquer pergunta baixou o indicador da mão esquerda e pronunciou o nome de uma pessoa mostrando-se indignado por não ser atendido seu pedido. Osmar Santos foi meu chefe e continua sendo meu amigo. Lamento profundamente que ele não possa mais fazer o que tanto gostava: “Ripa na chulipa, pimba na gorduchinha”. Beijão meu amigo Osmar Santos.

Um comentário:

Moura Nápoli disse...

Tem gente que chama o Osmar de "meu eterno chefe", mas não atende a um seu pedido... Enquanto isso, a equipe que já foi tão forte, tão poderosa, vai se esvaindo...