quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

COMEÇAR DE NOVO!


Aquilo que eu escrevi no início do ano aqui neste espaço aos poucos vai sendo confirmado. Os clubes brasileiros cada vez mais endividados estão abrindo espaço para treinadores e jogadores de custo baixo e novos. O Vasco da Gama demitiu Joel Santana e contratou Marquinhos Santos do Coritiba por um salário compatível com o mercado. No Botafogo quase vinte jogadores, técnico e auxiliares foram demitidos. No Flamengo Leonardo Moura está sendo substituído por Pará para que o Grêmio possa saldar uma dívida. Dorival Junior também acabou ficando sem emprego e outros treinadores e jogadores devem seguir o mesmo caminho em muitos clubes. A “água começou a bater no joelho” e 2015 abre uma perspectiva para poucos investimentos dentro da realidade. O único que recebeu uma proposta fora dos padrões atuais foi Tite. O Corinthians estaria oferecendo salários de 700 mil reais para o seu retorno. Os clubes precisam se conscientizar que as publicidades estão sendo redirecionadas para outras mídias. O Fluminense perdeu um contrato de 15 anos e outros clubes no recém encerrado Campeonato Brasileiro não tinham mais publicidade em suas camisas. Muitas outras novidades devem rolar até o final do ano. Que os dirigentes do futebol brasileiro se adaptem a uma nova realidade. É isso aí.

2 comentários:

Flávio Guimarães disse...

Caro Edemar

Está tão difícil saber para onde vai o Brasil político, quanto adivinhar os novos rumos do Brasil esportivo.

Futebol e vôlei já estão nas manchetes e, se apertar o cerco, serão descobertas outras falcatruas, com a aproximação dos jogos olímpicos.

Em comum, tanto na política como no esporte (reparou?) velhas raposas ocupam os mais elevados cargos. É gente "traquejada', como se diz.

O Brasil político ainda vai levar alguns anos (três ou quatro décadas) para o povo despertar e deixar de trocar o futuro por 'vales coisa nenhuma'.

O Brasil esportivo está condenado a ver estádios cada vez mais vazios, pois o torcedor, se cansou de dar o coração pelo seu time e receber, em troca, o descaso de dirigentes cada vez mais preocupados em negociar com a TV e 'amarrar o burro na sombra'.

Enquanto isso, tanto o esporte quanto a política agonizam.

Adalberto Day disse...

Edemar
Quero hoje parabeniza-lo por todas as excelentes postagens deste ano. Como dizia um amigo na infância quando jogava futebol "quem sabe, sabe! quem não sabe bate palmas".
Vamos torcer para o futebol brasileiro tomar um rumo bom para 2015.
Adalberto Day cientista social e pesquisador da história.