segunda-feira, 5 de novembro de 2018

FUTEBOL À PERIGO!


Cada dia acentuam-se mais e mais os erros nas arbitragens no futebol brasileiro. Não se pode mais admitir o que vem ocorrendo a cada rodada dos campeonatos.

Mesmo com cinco (5) árbitros a cada partida surge um novo capítulo negativo. No jogo Internacional e Atlético Paranaense o “adicional” marcou uma penalidade que nem o árbitro viu. Ex-árbitros atuando nas redes de televisão como analistas foram incontestes. Renato Marsiglia disse no SPORTV:"Não houve absolutamente nada no lance". 

Isso me faz voltar no tempo. Dia 22 de Fevereiro de 2012, Campeonato Paulista, jogo Bragantino e São Paulo em Bragança Paulista. O “Massa Bruta” vencia por um a zero com gol de Giancarlo em lance que começou com Romarinho “impedido”. Aos 27 minutos Jadson (São Paulo) caiu na área e Carlos Ceretta de Lima marcou penalidade máxima. Eu comentava o jogo no Première do SPORTV e a imagem da câmera atrás do gol mostrou que o goleiro Daniel Fernandes estava a meio metro de Jadson que caiu sem ser tocado. O árbitro marcou a penalidade. O “adicional” que estava a dois metros do lance viu tudo e calou-se.

O que mais se vê atualmente é a “simulação” dos jogadores com a complacência dos apitadores. Os árbitros precisam tomar coragem e punir os jogadores que retardam a reposição da bola na cobrança de tiro de meta, arremesso lateral e especialmente na simulação de contusões.

Na Copa Libertadores continua rendendo é a decisão da CONMEBOL de não punir o CA River Plate pela presença de seu treinador que estava punido. Ele não poderia estar no estádio, muito menos na cabine com radiotransmissor se comunicando com o auxiliar no gramado e tampouco comparecer ao vestiário no intervalo da partida.

Punir o treinador foi correto, mas, e o resultado do jogo pode ser considerado normal?. É claro que não. A CONMEBOL precisa ser contestada. Não é dessa maneira que se julgam casos gravíssimos que “mancham” o futebol como um todo. Uma vergonha.
É isso aí. 

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

HOJESPORTE


Os torcedores do Corinthians não se conformam com a derrota e a perda do título da Copa do Brasil. E querem a mudança no comando técnico do time. Em verdade o grande problema do Corinthians não está fora do campo, mas, dentro. O time no começo do ano tinha Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo, Guilherme Arana, Sidcley, Maycon, Rodriguinho e Jô entre outros. Vendidos já não fazem mais parte desse time vitorioso Balbuena, Pablo, Guilherme Arana, Sidcley, Maycon, Rodriguinho e Jô. É isso que os torcedores precisam analisar. O time está sendo renovado e carece de jogadores de mais qualidade.

Treinador de futebol troca de clube como a gente troca de camisa. E o pior de tudo é que são sempre os mesmos no circuito. Os empresários deitam e rolam no futebol brasileiro. Os clubes passaram a serem reféns e tem poucas opções. Os amistosos da Seleção Brasileira serviram pra mostrar a carência do nosso futebol. Não adianta crucificar o treinador como muitos tem feito. Ninguém faz omelete sem ovos. 

Os Europeus que ganham de goleada em organização disputam competições oficiais enquanto os Sul-americanos realizaram amistosos contra Seleções de pouca expressão, exceto o jogo Brasil e Argentina. Neste momento disputa-se a Liga das Nações com as maiores seleções do Velho Continente. Sucesso de público porque é uma competição oficial e para os Europeus mais importante que a Copa do Mundo.

Aproveitamento da data FIFA e as cotas financeiras é o que valeu nos amistosos recentes da Seleção Brasileira. Nada que mereça um destaque maior em relação ao futebol praticado. O torcedor brasileiro não se mostrou muito interessado nesses amistosos caça-niqueis. 

O empate em casa com o CSA deixou o Coritiba FC mais longe de retornar a Série “A” do Campeonato Brasileiro. Dos seis jogos que restam para o Coritiba jogará três em casa e outros tantos fora. Mesmo estando a seis pontos do quarto colocado – CSA – o Coritiba não depende só de seus resultados.

Pela quinta vez Levir Culpi retorna ao Clube Atlético Mineiro onde foi campeão da Recopa Sul-Americana e Copa do Brasil em 2014, Brasileiro da Série “B” em 2006 e Mineiro em 1995, 2007 e 2015. Comandou o Galo em 288 jogos com 154 vitórias, 60 empates e 74 derrotas. Já dirigiu 22 equipes. A estreia será domingo contra o Fluminense.

A CBF realizou a maior premiação em uma competição desde a sua existência. Foi na Copa do Brasil com 50 milhões para o Cruzeiro e 20 milhões para o Corinthians. E qual será a premiação para o Campeão e vice do Brasileiro da Série “A”.

domingo, 14 de outubro de 2018

BOLA PARADA

O São Paulo chegou ao limite na atual temporada. Os resultados que o levaram a liderança do Campeonato Brasileiro já não se repetem. Apesar de todos os esforços da sua direção o São Paulo tem um grupo de jogadores limitados. A contusão de Everton, o baixo rendimento de Nenê nos últimos jogos e com uma defesa insegura a partir dos goleiros que dispõe, Diego Aguirre não tem muito mais o que fazer.

Ao ser derrotado neste sábado pelo Bahia o Paraná Clube adiantou o expediente para voltar a Série “B”. O clube levou 10 anos para retornar a Série “A” e em um ano todo esse esforço resultou em nada. Os problemas financeiros contraídos em gestões anteriores estão entre os principais problemas que o clube tem enfrentado. Resta saber como o futebol será direcionado em 2019.

Luiz Felipe Scolari está provando que sua contratação foi o melhor investimento que o Palmeiras realizou nos últimos anos. Tem revezado os jogadores e os resultados positivos continuam ocorrendo. Dez vitórias e quatro empates sob o comando do gaúcho de Passo Fundo. Neste momento é o mais qualificado para ganhar o Campeonato.

Ao empatar com o Figueirense o Coritiba praticamente deu adeus a possibilidade de retornar a série “A”. Contratações erradas de jogadores e técnicos desde início da temporada levaram o clube a essa situação. A dívida de mais de 200 milhões e a diminuição da quota da TV em 50% para 2019 serão outros entraves para o Verdão Coxa-Branca encontrar o caminho da volta.

O Flamengo contratou jogadores e treinadores, mas seus objetivos pararam em duas competições importantes De repente o clube parece ter encontrado seu caminho com Dorival Junior. Três jogos, seis gols marcados, nenhum sofrido, duas vitórias e um empate reacenderam as esperanças. Está a quatro pontos do líder Palmeiras a quem enfrentará dia 27 no Maracanã. 

Ao derrotar o Sport Club Recife esta noite na Arena da Baixada por quatro a zero o Atlético Paranaense chegou à oitava posição no Campeonato Brasileiro com 39 pontos ganhos. O Furacão completou 10 jogos no Campeonato Brasileiro sem perder na Arena da Baixada.

A Seleção Brasileira está na Arábia Saudita onde nesta terça-feira em Jidá enfrenta a Argentina no clássico das Américas. Na verdade um jogo fora de hora. Aliás, entendo que depois da Copa do Mundo nossa Seleção só deveria voltar a campo em 2019, independente que terá a Copa América para disputar. A Seleção neste momento não atrai a atenção do torcedor brasileiro.


quarta-feira, 12 de setembro de 2018

NOSSO FUTEBOL


O futebol brasileiro precisa ser reciclado a partir da área financeira. Os clubes vão se endividando cada vez mais e, o retorno não corresponde ao investimento que se faz.

Com algumas exceções, a maioria dos clubes não tem dinheiro para contratar jogadores de qualidade. Aliás, o nosso futebol também carece de jogadores de qualidade. Os melhores estão no exterior.

Aqui no Paraná temos exemplos claros dos problemas financeiros do Coritiba e do Paraná. O Atlético parece tem suas finanças controladas exatamente porque de vez quando vende jogadores.

A atual diretoria do Coritiba FC recebeu uma herança de mais de 200 milhões de reais. Saldar essa dívida é um problema enorme diante da realidade do futebol brasileiro. Luta para voltar a Série “A” porque sabe que em 2019 permanecendo na “B” sua quota de Televisão vai cair em 50%. Se já existem problemas neste momento com a dificuldade de montar um time de qualidade imaginem o que não lhe espera se permanecer na Série “B”.

O Paraná Clube vai controlando seus problemas, mas, desde a fusão do Colorado com o Pinheiros teve que se desfazer de vários patrimônios para saldar dívidas. E do jeito que vai é sério candidato a voltar a Série “B”.

Certo dia sugeri que a cidade de Curitiba deveria ter só dois clubes para disputar em pé de igualdade com os chamados grandes do futebol brasileiro. Continuo pensando da mesma forma. É isso aí.

sexta-feira, 27 de julho de 2018

NOS BASTIDORES DA BOLA



Passadas as decepções de mais uma Copa do Mundo o futebol brasileiro começa a correr atrás da bola. Na Série “A” nenhuma grande mudança nas primeiras, nem nas últimas posições.

De novo mesmo a queda de Roger Machado, Jair Ventura, Fernando Diniz e Ricardo Drubscky. E as saídas de Abél Braga e Alberto Valentim. O Palmeiras está novamente com Luiz Felipe Scolari no seu comando técnico. O Santos está caminhando para uma definição. Zé Ricardo, Jorge Sampaoli e Juan Carlos Osório estariam entre as preferências.

Tite renovou seu contrato e permanecerá no comando da Seleção Brasileira até 2022. Já deve estar montando um novo grupo de jogadores para os amistosos de Setembro. Poderemos ter uma seleção de jogadores que atuam somente no Brasil ou haverá mescla com os do exterior.

Atlético Paranaense e Paraná Clube continuam na Zona de Rebaixamento da Série “A” e mesmo que vençam seus jogos no final de semana continuarão por lá.
O Coritiba na Série “B” fez sua melhor apresentação na competição ao derrotar o Goiás por um a zero em Goiânia. Não só pela vitória, mas, pela forma como o time se dedicou. Principal destaque – mais uma vez – o goleiro Wilson.

E como será a volta de Neymar no futebol francês?. Técnico novo que terá um elenco de bons jogadores a partir do goleiro Buffon. As polêmicas em torno de Neymar ultrapassaram o bom senso. Ninguém poupou seu comportamento nos jogos da seleção e também fora do gramado. Com isso acabou perdendo muito do seu prestígio. Vai ter que provar em campo que continua sendo o melhor jogador brasileiro em atividade.

Os europeus continuam apostando em jogadores brasileiros. As contratações de Arthur, Alisson, Fabinho, Fred, Malcom, Danilo, Vinícius Junior, Richarlison e o retorno de Paulinho para o futebol chinês. Rolou muito dinheiro nessas negociações. Com os europeus os clubes brasileiros jamais poderão competir. Afinal somos um país de Terceiro Mundo.

sexta-feira, 29 de junho de 2018

HOJESPORTE


Neste sábado começarão as Oitavas-de-Final da XXI Copa do Mundo com a participação de 16 países. Esta etapa de jogo único, também conhecida como mata-mata poderá ter partidas definidas em penalidades máximas. Se ocorrer empate nos 90 minutos e na prorrogação de 30 o vencedor será conhecido através da cobrança de penalidades máximas. 

O aumento para 32 e para a Copa de 2026 de 48 países mostra o que hoje o futebol representa para a FIFA e seus filiados. O que está em primeiro lugar é a parte financeira, o futebol está em segundo plano. Sou da opinião que uma Copa do Mundo para ter qualidade nabão deveria ter mais que 20 países participando. Com isso a competição estaria mais qualificada.

A queda da Alemanha, campeã de 2014 causou péssima repercussão no país com muitas críticas. A Bundesliga deverá promover mudanças já nas próximas semanas. Poderá ocorrer até troca de treinador.

Neste sábado na abertura das Oitavas-de-Final serão realizados dois jogos. Às 11 horas horário de Brasília se enfrentarão França e Argentina em Kazam. Já às 15 horas jogarão Uruguai e Portugal em Sochi.

O Brasil jogará na segunda-feira (2) contra o México às 11 horas em Samara. Foram 40 jogos entre brasileiros e mexicanos ao longo da história. 23 vitórias do Brasil (73 gols), 7 empates e 10 triunfos do México (36 gols). A primeira partida aconteceu no dia 24 de Junho de 1950 na Copa realizada no Brasil. Vencemos por quatro a zero. O último jogo ocorreu em 7 de Junho de 2015 em São Paulo e o Brasil venceu o amistoso por dois a zero.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

BOLA PARADA


O povo brasileiro tomou um susto sobre o valor pago pelo voo charter que levou a Seleção a Londres. Duzentos Mil Dólares ou R$ 750 mil reais aproximadamente).  Os jogadores jamais poderão reclamar do tratamento e das mordomias oferecidas pela CBF. E todos esperam que o retorno seja dado em campo.

As rendas da maioria dos jogos dos Campeonatos das Séries “a”, “b”, “c” e “d” tiveram uma queda acentuada. Nem tanto pela qualidade dos jogos, mas especialmente pela falta de combustível com a greve deflagrada pelos caminhoneiros.

Roger Machado, Jair Ventura, Fernando Diniz, Rogério Michael podem ter a sequência do trabalho interrompido desde que nos próximos jogos os resultados não sejam os esperados pela direção dos clubes.

Cristiano Ronaldo poderá ser a próxima atração do Paris Saint Germain para a temporada 2018-2019. Clube francês poderá pagar 646 milhões de reais para tirá-lo do Real Madrid. Ele teria um salário anual de 45 milhões de euros (200 milhões de reais aproximadamente).

Neymar é outro que pode trocar de clube – mais uma vez – depois da Copa do Mundo. Seu destino poderá ser o Real Madrid exatamente para suprir a saída de Cristiano Ronaldo.

Mais de 90% dos ingressos para a Copa do Mundo deste ano já foram comercializados. O ingresso mais caro custa R$ 745. Existe uma grande curiosidade a respeito da presença da torcida brasileira. A Copa do Mundo terá sua abertura daqui a 15 dias (14.06) com a partida Rússia e Arábia Saudita.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

HISTORINHAS DO RÁDIO


Na Copa do Mundo de 1974 algumas emissoras até por questões econômicas começaram a transmitir jogos em Off-Tube do Centro de Imprensa instalado em Frankfurt na Alemanha. A TV Alemã curiosa com o acontecido acabou filmando uma dessas transmissões e colocou no ar “Esses brasileiros transmitem do Centro de Imprensa e dizem estar nos estádios”.

Num voo de São Paulo para Belo Horizonte pela VASP nos anos 70 para a cobertura de um jogo aconteceu um imprevisto. O avião depois de muita turbulência no trecho teve que retornar a Congonhas. Pelos menos 20 profissionais de rádio de São Paulo estavam a bordo. Um deles (Operador de externa) apavorado com a turbulência pediu para descer da aeronave. Nunca mais foi visto no meio.

Num jantar em Ribeirão Preto em uma Churrascaria que estava situada junto ao Estádio Palma Travassos do Comercial FC aconteceu um fato hilariante. Um motorista da Jovem Pan – bom de garfo – sofreu uma brincadeira dos companheiros. Combinado com o garçom ele foi comunicado de que a partir daquele momento tinha encerrado o rodízio pra ele. Agora seria só a La carte.

Wanderley Nogueira participou de uma cena inusitada na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio na década de 70. Ao ver o colega Rubens Pecce da TV Gazeta sendo agredido partiu pra cima dos agressores. Aí alguém gritou: “para, para, para”. Era que a cena era de um filme que estava sendo rodado.

Randal Juliano e eu estávamos em Manaus em 1973 para a transmissão de um jogo do São Paulo pelo Campeonato Brasileiro. Na véspera da partida fomos ao “Bigode do meu tio” casa tradicional na época. Acomodados, Randal pediu ao garçom: “Traga-me um copo de leite”. E ouviu como resposta: “Aqui não servimos copos de leite”. Randal virou pra mim e disse: “Viu eu pedi. Eles não tem. Por favor, garçom traga-me uma dose dupla de Uísque”. Dona Darcy sua esposa pediu pra que não tomasse bebidas alcoólicas. O problema era a úlcera.

Após Alemanha 1 x 0 Argentina na decisão da Copa do Mundo de 1990 colegas do rádio brasileiro com os quais eu estava resolveram comer uma feijoada em plena noite de domingo em Roma. Havia um restaurante de brasileiros no caminho para o Vaticano. Caipirinha pra começar e muita cerveja. Serviram a feijoada em um prato pra cada um. Era feijoada de lata do Brasil. Custo da brincadeira: 100 dólares por cabeça.

A última....
Carnaval no Rio de Janeiro, ano de 1974. Eu estava na cabine da Jovem Pan na Avenida do desfile. Chega o repórter Chico Falcão e avisa: “Edemar vou ao Aeroporto Santos Dumont e faço um boletim de lá”. Alguns anos depois encontrei o Chico Falcão no Rubayat da Alameda Santos. Aproveitei e disse a ele: Estou esperando você fazer o boletim lá do Aeroporto. Foi uma gargalhada só.

quarta-feira, 21 de março de 2018

FUTEBOL DECADENTE!

Independente do que venha a ocorrer na Copa do Mundo o futebol brasileiro precisa pensar seriamente em mudanças. Mudanças para retomar a qualidade,
e o interesse do torcedor.

Vinte clubes na Série "A", "B", "C" não são mais compatíveis. Dezesseis (16) seria o número ideal. A CBF criaria cinco a seis séries para não deixar os clubes sem calendário.
Copa do Mundo com trinta e duas (32) equipes é prova da queda de qualidade do futebol. 

Poderia citar várias formulas para que o futebol brasileiro retome a qualidade perdida de há muito. Não tenho nenhuma pretensão de ensinar o que deve ser feito. Os tempos são outros ← verdade, mas 54 anos envolvido no Jornalismo Esportivo me dá no mínimo o direito de opinar. Já dizia o filósofo "Experiência não se compra, adquire-se".

O futebol brasileiro tem necessidade de se reciclar, se reprogramar com urgência. O futebol brasileiro precisa mudar a partir dos clubes, passando pelas federações e pela CBF.

A Copa do Mundo será o termômetro.

É isso aí.

sexta-feira, 16 de março de 2018

A OPINIÃO DOS INTERNAUTAS

Estava olhando comentários que os amigos internautas emitiram no meu blog já com 3.200 matérias publicadas e resolvi republicar. Vejam o que eles comentaram sobre o que escrevi.


O Futebol brasileiro já estava desacreditado antes da copa que apesar da torcida pelas vitorias, mas sem precisar entender muito de futebol já era esperado este vexame, e põe na conta de quem não soube administrar ou promover 7x1 para eles. E olha que a Alemanha em campo foi atendida pelos jogadores brasileiros para tirar o pé, ou desacelerar. O futebol brasileiro que queria esquecer a copa de 50 e se vingar foram mais desastrosos ainda os resultados. Uma seleção de porras loucas de zagueiros correndo em campo sem passar a bola pelo meio de campo. Zagueiros chorões que nem sequer batem Caro Edemar, como é gostoso ler essas histórias do nosso radio esportivo. Sobre o jogo Colômbia x Equador, foi narrado por um dos maiores locutores esportivo do radio brasileiro, o querido e saudoso Fiori Giglioti, a sorte que o primeiro tempo terminou 0 x 0. Comecei a acompanhar o Rosildo Portela na Radio América de São Paulo quando ele trabalhava na equipe do grande mestre dos comentaristas, o mineiro de Uberaba, Wilson Brasil. Eu gostava muito de um de seus bordões, quando tinha um gol muito bonito, após o grito de gol, ele falava: não foi gol, não foi gol, foi golaço, era muito legal esse bordão do Rosildo. Falando em gafe, Edemar, a maior que ouvi até hoje foi quando num jogo da seleção no exterior, o Dirceu Maravilha narrando pela Radio Bandeirantes, houve um gol da seleção, e ele gritou normalmente o gol, após isso, ele se ateve a ler um texto e tirou os olhos do campo, só que o gol foi anulado, quando ele voltou a olhar para o campo, o jogo transcorria normalmente.                                                                                                                  
Mario Donizetti Tomazella (Novo Horizonte – SP) comentou em 10.03.2015 a respeito da minha publicação ”HISTORINHAS DO RÁDIO ESPORTIVO”.


Se me permite um reparo, a partir de l958, a Guaíba passou a ser tida como a Rádio de Todas as Copas, graças aos esforços do Eng.º Homero Simon, secundado por Flávio Alcaraz Gomes e Mendes Ribeiro, quando montaram um transmissor na Suécia, objetivando alcançar a qualidade do som local. E até hoje, ainda ecoa em nossos ouvidos o bordão; Deus não joga, mas fiscaliza que se tornou marca registrada do saudoso Mendes Ribeiro.                                                                                                                  
Comentário do Engenheiro, Poeta das Aguas Doces e Escritor José Alberto de Souza de Porto Alegre em “OS NARRADORES ESPORTIVOS DO RÁDIO”, dia 7.11.2014.


No caso das comemorações, a coisa está absurda, Edemar. Está chegando o momento em que o jogador fará o gol, abaixará a cabeça, colocará as mãos para trás e se encaminhará ao meio de campo. E se o torcedor vibrar, no próximo jogo terá portões fechados. Vai chegar um tempo em que o gol será comemorado com um minuto de silêncio. Quanto à exorbitância que alguns jogadores ganham, isso é um problema crônico. A maioria das pessoas só veem uns poucos que ganham fortunas, mas a grande maioria espalhada por esse Brasil ganha uma ninharia. Mas os dirigentes, estes estão muito bem... Tá quase tudo errado. Ou o errado sou eu?                                                                                                      Jornalista Moura Nápoli de Itú-Sp emitindo sua opinião sobre a matéria que publiquei em 04.03.2015 sob o título “OS EXAGEROS DO NOSSO FUTEBOL”.


Pois é Edemar, estamos muito mal. O futebol romântico, nostálgico, o de de camisa já era faz tempo. Emissoras que fazem de conta que estão nos estádios, narradores fazendo de conta que narraram. Pra quem conheceu e conhece a carreira de vários narradores inclusive de você como um dos melhores deste país, sente muito. Nosso futebol brasileiro está pobre de tudo, está 7x1 de copas o maior vexame da história. Acordo futebol brasileiro.                                                                                                                          Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau opinando sobre a matéria que publiquei em 15.02.2015, “QUANDO O FUTEBOL ERA SÓ FUTEBOL”.


Caro Edemar.  Está tão difícil saber para onde vai o Brasil político, quanto adivinhar os novos rumos do Brasil esportivo. Futebol e vôlei já estão nas manchetes e, se apertar o cerco, serão descobertas outras falcatruas, com a aproximação dos jogos olímpicos. Em comum, tanto na política como no esporte (reparou?) velhas raposas ocupam os mais elevados cargos. É gente traquejada como se diz. O Brasil político ainda vai levar alguns anos (três ou quatro décadas) para o povo despertar. O Brasil esportivo está condenado a ver estádios cada vez mais vazios, pois o torcedor cansou de dar o coração pelo seu time e receber, em troca, o descaso de dirigentes cada vez mais preocupados em negociar com a TV e amarrar o burro na sombra. Enquanto isso, tanto o esporte quanto a política agonizam.                                                              
Opinião do Jornalista Flávio Guimarães em “COMEÇAR DE NOVO” em 15.12.2014

terça-feira, 6 de março de 2018

DE QUEM É A CULPA?


A televisão deita e rola no futebol brasileiro. A má administração dos clubes acaba aceitando as regras que ela impõe desde o valor financeiro até a forma de colocar o produto futebol no ar. Esse comportamento está tirando cada vez mais os torcedores dos estádios.

No Campeonato Paranaense deste ano, por exemplo, a média de público nos jogos não deve estar passando dos Três mil, se estiver.

A culpa não é só dos clubes como o Atlético Paranaense que resolveu disputar com um time denominado “aspirante”. Até o Coritiba depois de conquistar o primeiro turno resolveu colocar apenas dois titulares em campo na abertura do retorno e tomou uma goleada de três a zero no seu estádio.

Anunciar que se colocará um time reserva em campo já é um dos motivos para afastar o torcedor. Cobrar de 60 a 150 reais pelo ingresso é outro.
Mas, o que me parece ser ainda pior é a transmissão dos jogos para a cidade onde são realizados. Isso é o fim da picada. Ainda mais em se tratando de TV Aberta.

Os clubes aceitaram um “troquinho” para permitir tudo isso porque estão mortos financeiramente. Vejo um futuro negro pro futebol brasileiro. E se não ganharmos o Mundial da Rússia a coisa vai ficar ainda pior. É isso aí.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

RÁDIO E TV NA COPA DA RÚSSIA

O Brasil ja teve 16 emissoras cobrindo a Copa do Mundo. Este ano se tem conhecimento de que apenas sete (7) emissoras compraram os direitos comercializados pela Globo pelo valor de 100 a 150 mil do￳lares. Ficou inviável para a maioria das rádios. O custo para uma cobertura com o envio de pelo menos meia dúzia de profissionais terá um custo de 400 a 500 mil d￳lares incluindo-se os direitos. Na Copa 2010 consta que uma emissora comprou os direitos e não enviou ninguém a África do Sul. Transmitiu tudo aqui do Brasil mesmo. 

Quantos profissionais de rádio estarão na Rússia?


Na verdade de uns tempos a essa parte a FIFA deu mostras claras que o que interessa mesmo é a televisão que paga verdadeiras fortunas pelos direitos de uma Copa do Mundo. Não sei como será este ano na Rússia, mas na Copa de 2014 as televis￵ões não puderam exibir as publicidades de seus anunciantes durante os jogos, tão somente antes, no intervalo e final das partidas.


Fico imaginando; os anunciantes pagam milhõ￵es e milõh￵es para anunciar na Copa do Mundo e na hora da bola rolar nem suas logomarcas aparecem. E as rádios também não poderão veicular suas publicidades durante as partidas, somente antes, no intervalo e final dos jogos.


E a transmissão via Internet não será permitida. Por isso não me canso de repetir: "O futebol deixou de ser um esporte para se tornar num grande e lucrativo negócio para a FIFA, CBF e as Televisões". É isso aí.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

FUTEBOL É O ASSUNTO

Diego Souza pode ter sido uma boa contratação do São Paulo. O que entendo é que não pode jogar como centro avante enfiado. Sua característica é vir de trás para arrematar. Dorival Junior precisa ser alertado sobre isso.

O Paraná Clube perdeu a segunda no Campeonato Paranaense. Claro que é começo de temporada, mas o clube precisa pensar sério em reforços para não voltar a Série “B” do Campeonato Brasileiro.

Os Campeonatos Estaduais começaram. Inicio de temporada e ainda não se pode fazer uma avaliação correta do que os clubes vão mostrar. No Rio de Janeiro o Fluminense que fez um “carreto” dispensando meio time vai ter que ir as compras.

A SE Palmeiras é o clube brasileiro e penso da América do Sul que mais investimentos fez nos últimos tempos. E agora por contratações mal feitas está emprestando vinte (20) jogadores. A relação envolve: Goleiros: Vagner - Ituano (SP) – até 10/04/2018, Vinicius – Ponte Preta (SP) – até 31/12/2018; Zagueiros: Nathan – Servette (SUI) – até 30/06/2018, Tobio – Rosario Central (ARG) – até 30/06/2018; Laterais: Guilherme – Luverdense (MT) – até 30/10/2018, João Pedro – Bahia (BA) – até 31/12/2018, Lucas – Vitória (BA) – até 31/12/2018; Meio-campistas: Arouca – Atlético (MG) – até 31/12/2018, Daniel – Votuporanguense (SP) – até 08/14/2018, Juninho – Ituano (SP) – até 10/04/2018, Matheus Sales – América (MG) – até 31/12/2018, Rafael Veiga – Atlético (PR) – até 31/12/2018, Robinho – Cruzeiro (MG) – até 31/12/2019, Vitinho – Barcelona (ESP) – até 30/06/2018; Atacantes: Erik – Atlético (MG) – 31/12/2018, Gabriel Barbosa – SPAL (ITA) – até 30/06/2018, Gabriel Leite – Guarani (SP) – até 30/11/2018, Kaue – Linense (SP) – até 09/04/2018, Mouche – Banfield (ARG) – até 30/06/2018, Róger Guedes – Atlético (MG) – 31/12/2018. O jogador Robinho (foto) emprestado ao Cruzeiro ficará sem vínculo com o clube após 31 de Dezembro de 2019.

A utilização de um plano “B” chamado de time de Aspirantes está dando oportunidade aos jogadores que fazem parte do grupo vinculado ao Clube Atlético Paranaense. Jogou duas partidas no Estadual e venceu as duas. Muitos entendem que João Pedro que fez um golaço no clássico contra o Paraná Clube e deu o passe para os outros dois deveria ser efetivado no time de cima. Realmente está merecendo a efetivação.

Coritiba Football Club e Paraná Clube estão fazendo reformas em seus estádios para adaptá-los as exigências da FIFA e da CBF. Na Vila Capanema a Sala de Imprensa deixou o lado das arquibancadas cobertas e passou para o lado oposto embaixo da arquibancada ontem se localizam também os camarotes. No Coritiba as antigas Cadeiras Cativas estão sendo retiradas e outras obras estão previstas.

No Campeonato Gaúcho deste ano Grêmio e Internacional perderam seus jogos contra o Caxias. O Grêmio no final de semana por cinco a três na Arena Porto-Alegrense e ontem foi a vez do Internacional ser derrotado por dois a um. O Grêmio foi derrotado pelo Avenida em Santa Cruz do Sul por três a dois. Foi a segunda derrota seguida do tricolor gaúcho.



segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

A BOLA VOLTOU A ROLAR!

Nos grandes centros só contratações de jogadores que já atuavam no país. Parece que os clubes já chegaram à conclusão que os que vieram do exterior pouco resolveram. Muitos colocaram em campo jogadores das suas divisões de base. Os “medalhões” estão sendo preservados e preparados para competições consideradas mais importantes que os estaduais.

O que chama a atenção é a boa presença de equipes do interior nas competições do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo. Em outros estados os chamados "grandes" continuam dando as cartas.

O torcedor está expectante com relação ao seu clube e as rendas e presenca de público está dentro da realidade das competicõ￵es.

Quanto aos jogos muito pouco ainda para se analisar. Quando as chamadas equipes titulares estiverem em campo teremos uma ideia melhor do que o futebol brasileiro promete para este ano. É isso aí.

sábado, 16 de dezembro de 2017

CORITIBA FC: COMEÇAR DE NOVO!

O rebaixamento para a Séria “B” deixou a torcida coxa-branca muito frustrada. Não poderia ser diferente, afinal o clube gastou muito pra pouco retorno em 2017. O título estadual prometia, mas ficou só nisso. Contratações caras que não foram suficientes para manter o clube na elite do futebol brasileiro.

Agora com a eleição do novo presidente o clube vai ter que iniciar praticamente do zero. As dívidas aumentaram e existem poucas soluções em curto prazo.

A utilização dos profissionais que já estavam no clube – a baixo custo – parece ser a melhor solução de momento. Sandro Forner vai dirigir o time com Mozart para auxiliá-lo como vinha ocorrendo nas divisões de base.


E é aí, nas divisões de base que o Coritiba poderá iniciar o caminho de retorno a grandes conquistas e a volta a Série “A” em 2019. Oxalá os novos dirigentes ataquem os problemas de imediato e evitem que o clube tenham cada vez mais dívidas e menos qualidade no futebol. É isso aí.






segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

SERÁ QUE MEU TIME VAI MELHORAR?

Entra ano sai ano e as esperanças do torcedor brasileiro se repetem. “Acho que no próximo ano meu time vai pras cabeças”. “Meu clube elegeu novo presidente e ele prometeu grandes contratações”. “Meu time precisa mudar de treinador e contratar jogadores de qualidade”. É o que mais se ouve a cada final de temporada.

A grande maioria dos clubes promove eleições para escolher o novo presidente. Os eleitos normalmente analisando os resultados do ano partem para profundas alterações. Outros recebem heranças malditas de elevadas dívidas contraídas por gestões anteriores.

A instabilidade do futebol brasileiro é preocupante. Dívidas e mais dívidas fazem parte do dia a dia de quase todos os clubes. O que fazer? Reduzir as despesas, ignorá-las ou fazer novos investimentos?

A verdade do nosso futebol começa pelas administrações, que envolvem principalmente gastos fora da realidade. Salários elevados, contratações mal feitas= Resultados negativos. É o que ocorre com a maioria dos clubes.


Qual a solução? A solução começa por reduzir os gastos com contratações de acordo com a realidade e o aproveitamento das revelações das bases dos clubes. Quando isso for levado a sério e colocado como prioridade, o futebol brasileiro vai começar a se reestruturar financeiramente e futebolisticamente. É isso aí.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

RÁDIO E TV: SOM



Para quem gosta de ouvir o futebol pelo rádio com as imagens da televisão ou mesmo ao vivo nos estádios pelos aplicativos dos celulares normalmente se aborrece.

Era comum ver nos estádios os torcedores com rádio colado ao ouvido ou utilizando o fone para ver o jogo e ouvir a transmissão do seu locutor ou rádio preferida. De uns tempos a essa parte com o avanço da tecnologia o rádio portátil no caso deixou de ser o grande companheiro do torcedor nos estádios.
Hoje se ouve as transmissões pelos aplicativos dos celulares. Escuta-se a rádio, mas não pelo rádio portátil como antes. Aí se ouve as reclamações cada vez mais constantes como “o locutor está transmitindo com muito atraso”; “O gol já aconteceu e só agora ele está narrando”. 
Tudo isso tem uma explicação, o delay (delei): (Delay é o termo técnico usado para designar o retardo de sinais em circuitos eletrônicos, geralmente o atraso de som nas transmissões via satélite).

Tempo (de atraso de um sinal, em reverberação, eco, ou em equipamentos eletrônicos em geral). Em alguns casos o atraso do som da rádio com relação à imagem chega há 17 segundos ou mais. E a mais de 1 minuto pelo som da rádio na internet. Já não bastasse ter que concorrer com a televisão, o rádio concorre também hoje com o sistema operacional. No momento em que o som e a imagem forem iguais o rádio aumentará sua audiência consideravelmente nos estádios. Quem não vai ao estádio ou não está assistindo pela televisão esse problema não é percebido. 

Lembro-me da final da Copa da Inglaterra (Copa Umbro) em 1995 no Estádio de Wembley. Transmiti em companhia do Sidnei Campos pela extinta Rádio Clube Paranaense, a B2. Já tínhamos transmitido os jogos de Birmingham e Livepool quando o Brasil derrotou respectivamente a Suécia por um a zero e o Japão por três a zero. Não tivemos nenhum problema com a transmissão do modo convencional de quatro (4) fios (transmissão e retorno) via Embratel. Na final em Londres, já instalados para a abertura da jornada tomamos um susto.

Não havia o circuito (ou linha) de transmissão a quatro (4) fios. Rapidamente a BBC (que cobrava 1.700 dólares pela assistência técnica) conseguiu dois telefones e com eles fizemos uma transmissão perfeita na vitória sobre a Inglaterra por três a um. De volta a Curitiba Airton Cordeiro, Diretor de Esportes da B2 queria saber por que eu narrei os gols antes da televisão.

O “delay” da televisão foi o responsável por isso. Hoje as transmissões esportivas não adotam mais o sistema convencional, pelo menos a maioria. Hoje o telefone digital é a principal ferramenta para as transmissões esportivas ou jornalísticas. Está explicado? É isso aí.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

FUTEBOL: O MELHOR PRODUTO DA TV!

Além de deixar de ser um esporte e tornar num grande e lucrativo negócio o futebol brasileiro virou o maior entretenimento da Televisão. Antes era restrito a TV Aberta até o aparecimento da TV a Cabo que transmite os jogos pra quem compra os pacotes do “pay per view”. Com isso os jogos dos Campeonatos Brasileiros e Estaduais começaram a ser mostrados ao vivo.
A partir desse momento muitas mudanças aconteceram. Entre elas o pagamento aos clubes pelo Direito de transmissão. Com a TV Paga vieram os pacotes do “pay per view”. 

A tudo isso se juntou a publicidade nos uniformes dos clubes. Alguns conseguiram contratos milionários, outros nem tanto.
A impressão inicial era de que os clubes receberiam muito dinheiro para aumentar seus patrimônios, contratar grandes jogadores entre outras coisas. Mas o outro lado da moeda nos mostra que apesar de toda “dinheirama” que os clubes recebem, estão cada vez mais endividados.

Quando não se tinha publicidade nas camisas, televisão pagando direitos aos clubes o futebol tinha mais público nos estádios. Reduziram a capacidade dos estádios brasileiros e o torcedor teve que optar pela televisão paga.
Antes os clubes viviam das arrecadações dos jogos e do dinheiro das mensalidades dos associados. E não havia tantas dívidas como nos dias de hoje.

Acho que os clubes exageram nos gastos e recebem pouco pelo espetáculo (entretenimento) que proporcionam pela televisão. Como mudar isso? Alguém saberia responder? É isso aí.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

AS DEMISSÕES NO RÁDIO E TV!



“O seu ciclo terminou aqui na empresa. Boa tarde”. É assim que as empresas comunicam a demissão de profissionais com muitos anos de casa e dos mais qualificados. Tão qualificados ao ponto de ajudar a colocar a empresa no topo em faturamento e audiência. De repente os “gênios” colocam na cabeça que o funcionário está muito caro. Esquecem que ele foi utilizado – nos momentos bons e ruins – para contribuir no sucesso da empresa.  
Demitem grandes profissionais e contratam jovens com pouca experiência e totalmente desconhecidos no meio. Renovações são necessárias sim, mas não se pode esquecer que a qualidade a partir desse momento já não será mais a mesma.
Lamentavelmente é isso que ocorre hoje no rádio e na televisão. É isso aí.


quinta-feira, 12 de outubro de 2017

SEM ESSA DE JÁ GANHOU!


Encerradas as Eliminatórias Sul-Americanas já tem gente contando como certa a conquista do Mundial da Rússia. Acho muito cedo para fazer uma avaliação do que vamos encontrar. A classificação antecipada, a escalada vitoriosa e invicta de Tite no comando da Seleção Brasileira não me ilude. Tite fez um trabalho que a maioria não conseguiria ao pegar a seleção numa fase delicada da competição. Méritos totais devem ser dados a ele e a dedicação dos jogadores que com ele trabalharam. Mas e agora? Agora começa a parte mais difícil para chegar à decisão da Copa do Mundo. Porque? Porque nosso futebol carece de mais aprimoramento tático e técnico além de uma postura física que não pode ser comparada com a maioria das seleções europeias.
A seleção joga baseada na qualidade de alguns jogadores e no conjunto que aos poucos foi adquirindo a partir da presença de Tite no comando técnico.
O oba-oba que se ouve e lê é fora de propósito. Não ganhamos nada. Temos que nos preparar para enfrentar as maiores potências mundiais e não e tão somente seleções sul-americanas.
Agora vamos disputar a Copa do Mundo, não as eliminatórias. Não haverá turno e returno para recuperação.
Não sou pessimista. Sou realista. Espero que tudo corra dentro do que o torcedor espera para conquistarmos o Mundial. É isso aí.

sábado, 23 de setembro de 2017

ESTAMOS PERDENDO TEMPO!


O futebol brasileiro está em alta com a Seleção já classificada para a Copa da Rússia. Classificada porque tem Allison; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo: Casemiro, Paulinho, Renato Augusto e William: Gabriel Jesus e Neymar que atuam no exterior. Já o futebol que se pratica em nosso país está desperdiçando as chances de readquirir seu status. A revelação de jogadores que no nascedouro são comercializados com o exterior detona a realidade pela qual passa nosso futebol.
95% dos clubes brasileiros não tem dinheiro para formar elencos que possam diretamente competir em alto nível. Somos frágeis no contexto nacional e internacional.
O que resta aos clubes? Organizar-se, criar núcleos fortes para revelação de jogadores, investir nesses jogadores e deixar de importar “cabeças de bagre”. São raras as contratações de jogadores estrangeiros que tem dado certo.
No cenário Sul-Americano nossas equipes tem batido cabeça nas competições mais importantes. Com exceções encontramos enormes dificuldades hoje para passar por equipes argentinas, colombianas, equatorianas entre outras. Nosso futebol parou no tempo e no espaço.
É hora de se fazer algo para reestruturar tudo a partir dos clubes. Resultado imediato com contratações caras tem provado que não tem dado certo.
Quanto investiram Flamengo e Palmeiras? Nosso futebol precisa ser repensado. É isso aí.
  

sábado, 2 de setembro de 2017

O QUE FALTA À SELEÇÃO?

Ouvi muitas opiniões antes e depois do jogo Brasil 2 x 0 Equador em papo com colegas jornalistas e radialistas em Porto Alegre. Todos concordaram que o país está satisfeito com nossa classificação antecipada para a Rússia. A pergunta que mais ouvi foi “E será que vamos ganhar o Mundial?”. Uma coisa é jogar as Eliminatórias Sul-Americanas contra adversários que estão tentando se classificar. Outra é jogar a fase mais importante da XXI Copa do Mundo a ser realizada no ano que vem. Tive um diálogo mais direto sobre esse assunto com o amigo ex-jogador, ex-treinador e agora comentarista Muricy Ramalho. Temos as mesmas opiniões. O Brasil precisa “encorpar” para enfrentar o futebol das seleções europeias. Hoje o futebol está nivelado por baixo. Já não se encontram mais jogadores de alta qualidade em quantidade nas seleções. Como a briga direta pelo título será entre sul-americanos e europeus a pergunta cabe: Jogando só do jeito que jogamos vamos vencer? A Seleção Brasileira reabilitada pelo técnicoTite precisa ganhar mais “massa” para encarar a competição. Nosso time precisa encorpar, ficar mais forte para chegar junto. A experiência e a sequência de jogos com o mesmo grupo de jogadores em primeiro lugar e depois treinar forte para ficar forte sob todos os aspectos. Esse pode ser o caminho. É isso aí.


sábado, 5 de agosto de 2017

RÁDIO E FUTEBOL


O mundo comenta a transferência de Neymar para o Paris Saint Germain. Não especificamente pela sua saída do Barcelona, mas pelo volume de dinheiro investido. A cada instante tem alguém escrevendo ou falando que Neymar ganha 300 mil reais diários, considerado um absurdo para o futebol. Respeito às opiniões, mas feliz dele por ganhar pelo dom que DEUS lhe deu. Só um detalhe: “Nunca por dinheiro, vim pelo desafio” foi forte demais.



Willy Fritz Gonser, o “Mais completo” está hospitalizado em Belo Horizonte. O compadre com forte “pneumonia” e teve que ser internado há uma semana. Segundo seu filho, meu afilhado, Dr. Cláudio Gonser, ele já está na CTI, sendo acompanhado por uma excelente equipe de médicos e se recupera bem. Saúde compadre.





O rádio esportivo brasileiro tem Profissionais “fanáticos” pelos clubes que torcem. Dizem que sempre foi assim. Discordo porque nos meus tempos do rádio em São Paulo se sabia qual o clube de preferência dos colegas, mas isso não era demonstrado no ar. Aqui em Curitiba nos dias de hoje o “fanatismo” de alguns colegas é inacreditável. Tem colega torcendo com o microfone na mão. Kkkkkk


A Copa do Mundo da Rússia deverá ter poucas emissoras de rádio do Brasil. Os detentores dos Direitos estão cobrando uma quantia fora da realidade brasileira. Como o mercado publicitário está em baixa dificilmente teremos como em outros mundiais a presença maciça do rádio.


Mesmo com poucos recursos financeiros cresce a cada dia o número de emissoras de rádio na WEB. A maioria focando suas atividades nas transmissões esportivas. Essas emissoras ainda encontram forte resistência no meio publicitário. Já as emissoras de rádio que transmitem futebol tiveram seu alcance – com mais qualidade – aumentando com a retransmissão pela WEB. Hoje não se fala mais em Emissoras de Rádio com Ondas Curtas. E logo não se falará mais em rádios AM. Essas estarão em curto espaço migrando para a frequência FM. Quem sabe com essas modificações o mercado publicitário destine uma melhor fatia para o rádio.

sábado, 1 de julho de 2017

FUTEBOL... CARO DEMAIS



O futebol especialmente no Brasil caminha numa trilha perigosa. O que se gasta hoje com treinadores e jogadores está muito além do que se arrecada. Não se pode pagar o que se paga hoje. A maioria dos clubes não vê a hora de negociar suas principais atrações. Outros parecem ter ganhado na Mega Sena tal a volúpia de gastos em contratações. Onde isso vai parar? Confesso não saber, mas o que sei é que mesmo os grandes encontram dificuldades em fechar patrocínios. A receita financeira não beneficia equitativamente. A divisão das verbas da televisão é mal distribuída. Os clubes de menor expressão e mesmo os grandes vão aumentando a cada dia suas dívidas. Num país em que a corrupção tomou conta as autoridades não tem o controle do que ocorre no futebol. No Exterior alguns atletas brasileiros estão pagando altas multas por transferências sem transparência. Confesso estar preocupado com o futuro do nosso futebol. É isso aí.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

NARRAR FUTEBOL!

A pedidos aqui está uma matéria muito atual que escrevi em 2013. Quem sabe sirva para alguma pessoa.


Recebo com frequência consultas e correspondências de jovens interessados em narrar futebol pelo rádio e televisão. Enviam gravações e pedem opiniões. Não sou dono nem diretor de rádio. Com muito prazer tenho respondido. Hoje se critica muito a qualidade do rádio e do rádio esportivo.

Não sou dono da verdade e não quero ensinar ninguém o bê-á-bá da narração esportiva. Sou de uma geração de grandes narradores com certeza os melhores da história do rádio esportivo brasileiro. Pedro Luiz, Jorge Curi, Willy Gonser, Pedro Carneiro Pereira, Osmar Santos, Joseval Peixoto, Fiori Gigliotti, Haroldo Fernandes, Alfredo Orlando, Doalcei Bueno de Camargo, Flávio Araújo, Ênio Rodrigues e José Silvério. Acho que também faço parte desse seleto grupo de narradores, modestamente.

Tenho opinião formada em relação às narrações esportivas tanto no rádio como na televisão como ouvinte, telespectador e profissional da área. Quero me dirigir para quem deseja abraçar a carreira ou mesmo para quem já está em atividade. Começo por lhes dizer que narrar futebol no rádio é muito mais difícil do que narrar na televisão. Ninguém faz o narrador esportivo. Ele já nasce com o “dom” que DEUS dá. Ou se tem, ou não se tem o “dom”. 

Quem nasce para ser médico, advogado ou especialista em qualquer área da vida já traz isso do berço. O que se pode e deve é aperfeiçoar sempre e sempre a narração esportiva, coisa que hoje não ocorre. DEUS dá a cada um o “dom” para ser desenvolvido e praticado.

O que tenho ouvido é uma inversão de valores e muita gente forçando a barra para narrar futebol. Muitos deixam a condição de excelentes repórteres e querem porque querem apoiados pelos “gênios” narrar futebol no rádio. Esse é também um dos motivos pelos quais caiu a audiência do rádio esportivo no Brasil. De quem é a culpa? A culpa é dos que aceitam essas situações. Acham que vão arrebentar a “boca do balão” narrando no rádio. Não é bem assim.

Eu nunca recebi orientação de quem quer que seja para narrar futebol e nunca tive padrinhos para chegar aonde um dia cheguei. Tive que me virar nos trinta contra traíras, capachos e outros.

Hoje os tempos são outros, as narrações são outras, a qualidade é outra. Enfim, cada um faça como melhor lhe aprouver porque narrar futebol em rádio não é isso que a maioria faz nos dias de hoje. Pediram que desse minha opinião. Está dada. É isso aí.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

É TEMPO DE TESTES

A convocação para os amistosos de Julho na Austrália teve algumas repercussões negativas especialmente por parte da torcida da SE Palmeiras. Nenhum jogador do Campeão Brasileiro de 2016 foi convocado. Tite preferiu testar jogadores que já estiveram na Seleção em várias ocasiões (David Luiz, Thiago Silva, Alex Sandro e Taison) e optou pelo retorno de Gabriel Jesus. Em se tratando de amistosos contra a Argentina e Austrália dias 9 e 13 até é compreensível à ausência de jogadores considerados titulares. Especula-se que o goleiro Alisson ficou de fora por não atravessar bom momento.

Chama a atenção a ausência de jogadores do Palmeiras como também do Atlético Mineiro e do Flamengo. Seja lá como for que Tite entenda mesmo os amistosos para testar jogadores. E que não se tenha nenhuma decepção depois da brilhante trajetória brasileira nas Eliminatórias da Copa do Mundo que garantiram nossa presença na Rússia. É isso aí.