domingo, 23 de junho de 2013

RADIAIS, TELEVISIVAS E ESPORTIVAS

Ronaldo, o Fenômeno afirmou ontem que aceita ser preso se for comprovado que tenha recebido qualquer dinheiro do COL e da Copa das Confederações. Em entrevista ao site IG ele declarou "Como membro do Comitê estou a favor dos protestos e nego qualquer benefício financeiro em estar ligado a organização da Copa. Quero ser preso se provarem. A FIFA e o COL não tem absolutamente nada a ver com a roubalheira em nosso pais", finalizou. 

Em recuperação de uma cirurgia bem sucedida o eclético Orlando Duarte está comentando os jogos do Brasil na Copa das Confederações como convidado da Rádio Nacional. É disso que o rádio precisa. Profissionais gabaritados para analisar o futebol e só preocupados com o futebol e não com estatísticas e meias palavras. O rádio esportivo agradece pelo seu retorno Orlando.

Oswaldo Bachin Junior, o moço de Santa Barbara D´Oeste (como diria o saudoso Fiori Gigliotti) com quem convivi por ano e meio nas transmissões do SPORTV e Première FC finalmente teve seu trabalho reconhecido depois de seis anos. Deixa de ser agora freelance para se tornar em funcionário da emissora. Fico muito feliz Bachin e tenho a certeza do sucesso e reconhecimento pelas suas narrações.

Muitas reclamações estão sendo anotadas sobre os problemas existentes nos estádios onde acontecem os jogos da Copa das Confederações. Tem estádio em que o trabalho da imprensa está sendo dificultado por falta de energia elétrica. Isso além dos problemas relacionados às manifestações nos dias dos jogos está repercutindo muito mal no exterior.
Essa de parar, cancelar a Copa das Confederações não passa de sensacionalismo que a imprensa continua utilizando em seus noticiários. Quem escreve sobre isso não tem ideia das consequências que a paralização do evento poderia causar ainda mais ao governo brasileiro.
Os números do Ibope nas transmissões do rádio esportivo de São Paulo está sendo colocado em dúvida cada dia, mais e mais. Dois exemplos disso são as emissoras que aparecem pontuando nos primeiros lugares da audiência que juntada trimestralmente é divulgada mensalmente. A FM105 de Jundiaí apontada com líder absoluta não está transmitindo a Copa das Confederações. Tudo leva a crer que o problema seja financeiro. Não conseguiu vender as publicidades necessárias para bancar o evento. Consta que na última Copa do Mundo mesmo tendo adquirido os direitos a emissora transmitiu todos os jogos aqui mesmo do Brasil. Outra que segue nessa mesma esteira é a Rádio Capital. Não conseguiu vender seu futebol este ano e acabou aceitando uma parceria para retransmitir a Rádio Tupi do Rio. A emissora carioca é líder em seu estado, mas, desculpem em São Paulo não tem o aceite do ouvinte. As agências pelo que se sabe programam as publicidades sempre para que está liderando. Será que o Ibope mostra realmente os números verdadeiros nas pesquisas ou estariam as agências equivocadas na distribuição das publicidades? 

Ainda sobre a Copa das Confederações e a cobertura do rádio. As tradicionais Jovem Pan e Bandeirantes estão representadas nos jogos da seleção apenas pelos seus repórteres Márcio Spímpolo e Leandro Quesada. A Transamérica e a Globo compareceram nos três jogos iniciais com seus narradores nos estádios. A única emissora brasileira que comprou os direitos para transmitir todos os jogos ao vivo (dos estádios) é a Miracema de Tocantins que comanda a Rede Nossa Copa.
 
A bagunça começa a ser estabelecida no Campeonato Brasileiro. A CBF além de mudar datas e horários de vários jogos para atender interesses agora está permitindo que clubes cumpram jogos no exterior em meio à disputa. Com isso os compromissos desses clubes são antecipados os transferidos de suas datas originais. Faltam mesmo seriedade e credibilidade no futebol brasileiro e depois querem que o público prestigie.
A última: Conhecido repórter que passou pela emissora confidenciou ao grande plantão esportivo Domingos Machado que a Rádio Record quer voltar com o futebol. Seria importante para que não se continue a desperdiçar as potentes ondas médias e curtas da emissora. Já ouvi esse papo pessoalmente em Maio de 2012 quando estive reunido com o atual diretor da emissora. À volta a programação comercial com jornalismo e esporte estava na dependência de uma autorização dos responsáveis pela emissora. Já se passaram 13 meses e nada foi confirmado.

2 comentários:

JASouza. disse...

Por que estes protestos contra os eventos esportivos que estão sendo e vão ser realizados em nosso país, não foram levados às ruas quando o Brasil se candidatou a promovê-los?

EDEMAR ANNUSECK disse...

Com certeza por outros interesses. No Brasil tudo é possível!