sexta-feira, 23 de maio de 2014

CADÊ O DINHEIRO?


Cadê o dinheiro da televisão? Cadê o dinheiro das publicidades? Cadê o dinheiro das transações de jogadores? Essas perguntas estão na boca dos torcedores dos clubes brasileiros. As dívidas dos clubes para com o governo e outras instituições vão aumentando diariamente e confesso que não vejo solução a curto, médio ou até longo prazo. Se os clubes recebem altas quotas da televisão, das publicidades e da venda de jogadores porque estão de “pires na mão”? A partir do momento em que a televisão comprou os campeonatos todo mundo riu de orelha a orelha e se esqueceu dos torcedores. Os estádios tiveram sua capacidade reduzida e mesmo assim poucos recebem lotação total até em grandes jogos. Também pudera pelos preços praticados o torcedor tem que ficar em casa mesmo que é o que a televisão quer. Quer vender o pay-per-view e com isso esvaziando os estádios. Mas não é só isso; a violência das torcidas organizadas e os altos preços dos ingressos contribuem cada vez mais para o afastamento do torcedor. Alguns clubes já começaram a acordar para a situação. A televisão e as publicidades pagam quotas que não sustentam mais os clubes. Agora resolveram baixar os preços dos ingressos para tentar trazer de volta o torcedor aos estádios. Já é um começo. Aliás, torcedor que sempre foi à razão de ser dos clubes e do futebol. No meio de semana tivemos média de R$ 10,03 para o jogo da Série “B” entre América de Minas e Joinville que levou 19.562 pessoas ao Mineirão. Na partida Ponte Preta vs. Vila Nova o ingresso médio foi da ordem de R$ 8,38. Isso prova que com o ingresso barato, apesar da violência e dos horários dos jogos, o torcedor prestigia. Para mudar o quadro atual os clubes deveriam cobrar quotas maiores da televisão e reduzir os salários dos jogadores e treinadores. Quem sabe possa ser esse o caminho para salvar o nosso futebol. É isso aí.

Um comentário:

Adalberto Day disse...

Edemar
Cadê o dinheiro?
O gato comeu ... o gato comeu ...
E assim é em tudo não só no futebol.
Abraços e parabéns pelas belas postagens.
Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau