sábado, 15 de fevereiro de 2014

RADIAIS E ESPORTIVAS

 
A volta de Adriano o Imperador foi a melhor notícia do futebol na semana que está se encerrando. Treinando há três meses no CT Alfredo Gotardi (Caju) do Clube Atlético Paranaense chegou o momento de sua volta. E aconteceu nos instantes finais da partida de quinta-feira quando o Furacão derrotou o The Strongest pela Copa Libertadores das Américas. Não houve tempo para se avaliar o seu futebol. Mas, só o seu retorno é uma alegria para o futebol brasileiro. Se estiver bem fisicamente e deixar de lado os problemas extracampo será com certeza um ótimo reforço para o futebol.
De vez em quando alguém pergunta: Por onde anda Bento Pereira de Oliveira, o corintiano? Pra quem não sabe ele foi o Chefe da Técnica Externa da Rádio Jovem Pan por muitos anos. Hoje continua prestando serviço à emissora como um dos operadores dos transmissores da emissora. Na foto de 1987, Bento de Oliveira no Morumbi modulando uma das transmissões que fiz na época em que se usava o Mixer Shure e os microfones sem fio da Motorola. Hoje o Chokito leva mais de 100 quilos de material para as transmissões.
Paulo André puxou o carro como diria meu amigo Osmar Santos. Depois da invasão do CT do Corinthians o criador do Bom Senso FC aceitou jogar na China. Agora se pergunta: E como fica o Bom Senso FC? Acho que a iniciativa de Paulo André é válida, mas esbarrou na contrariedade de outros profissionais.  Nem todos pensam da mesma forma. A maioria está mesmo preocupada em garantir o emprego. Resta saber agora se o Bom Senso FC com a ausência de Paulo André vai continuar.

Solidariedade é uma palavra que não se usa mais no rádio esportivo brasileiro. Já houve tempo em que um acontecimento fora da rotina era motivo de solidariedade por parte da imprensa. Hoje não se vê mais isso. O que se vê é cada um procurando segurar seu emprego. O que ocorreu em Curitiba onde uma emissora em dois jogos do Clube Atlético Paranaense foi impedida de transmitir não pode acontecer. É certo que o Estádio Durival Brito e Silva não tem espaço para muitas rádios e equipes de televisão pelas poucas e antigas cabines existentes. Mas, num evento internacional deveria ser construído uma bancada ou liberado um espaço nas arquibancadas para que as emissoras que normalmente transmitem os jogos do clube pudessem estar presentes. Não vi nenhuma manifestação de solidariedade para com a Rádio Iguassu de Araucária que está em todos os jogos. Espero que a ACEP – Associação de Cronistas Esportivos do Paraná – busque uma solução para que o problema não se repita.
Transmiti muitos jogos no Estádio Adolfo Konder, na Rua Bocaiúva em Florianópolis. Jogos de Campeonato Catarinense entre 1964 a 1972, Copa do Brasil (Olímpico 0 x 1 Grêmio Porto Alegrense em 1965) e até o amistoso Avaí 1 x 2 Santos com Pelé e companhia em plena quarta-feira à tarde. Lá aconteceram memoráveis jogos do Campeonato Brasileiro de Seleções entre catarinenses, gaúchos, paranaenses, mineiros e até cariocas.
Nesse saudoso palco, Avaí, Paula Ramos, Postal Telegráfico, Figueirense e Externato entre outros mandavam seus jogos. As partidas aconteceram no Estádio Adolfo Konder até 1960 quando foi inaugurado o Estádio Orlando Sacarpelli e em 1983 a Ressacada. O Estádio Adolfo Konder era conhecido inicialmente como Campo da Liga ou Pasto de Bode. Os clubes de Florianópolis treinavam e jogavam neste local. Depois o estádio onde funcionava também a sede da Federação Catarinense de Futebol foi demolido para surgir no local o Beiramar Shopping. Um dos primeiros Shoppings da Grande Florianópolis.

Na Copa América de 1991 realizado no Chile eu transmiti pela Rádio Nereu Ramos de Blumenau ao lado de Carlos Roberto Reinert, o Peninha. Foi um show de cobertura desde a chegada da Seleção brasileira ao Hotel Miramar em Viña Del Mar, abertura da competição no Estádio Nacional em Santiago até os jogos finais. Com o Circuito aberto 24 horas Via Embratel transmitimos ao vivo todos os jogos. Havia a necessidade de um segundo locutor para narrar os jogos que antecediam as partidas da Seleção Brasileira dirigida por Paulo Roberto Falcão.
Aí descobrimos um gaúcho bonachão que estava lá para fazendo boletins da Copa América para a sua emissora. Não deu outra; Rudimar Piccinini integrou-se a equipe e deu show nas transmissões, ele que estava começando no rádio. Tá certo que depois dos jogos os lautos jantares regados a muita cerveja  serviam para justificar sua presença. Depois de 23 anos reencontro Rudimar Piccinini no Facebook. Fiquei feliz em receber suas manifestações e creia Rudimar, embora estejamos à distância nossa amizade e respeito são cada vez mais fortes. Hoje Rudimar Piccinini apresenta programa das 17 às 19 horas na Encanto FM (encantofm.com.br) da cidade de Encantado e transmite os jogos da Lajeadense no Gauchão. Abração índio velho de guerra.
Confraria dos Amigos da Bola, Zé Domingos,
Dionísio Filho e Durval Monteiro
O rádio paranaense precisa render mais homenagens aos que foram os precursores no jornalismo e no esporte da cidade de Curitiba. Nos anos 60 surgiu na Rádio Clube Paranaense José Domingos Borges Teixeira, o Zé Domingos narrando futebol. Quase na mesma época o interior trouxe de Astorga para Curitiba Durval Monteiro (na época goleiro e radialista), o hoje advogado Dr. Durval Monteiro Castilho. José Domingos foi a maior audiência de Curitiba comandando programas noticiosos e policiais. Durval Monteiro, (torcedor do Coritiba FC), primeiro como repórter e depois como comentarista e apresentador de programas hoje mais em Guaratuba do que em Curitiba, mas ainda em plena atividade como advogado. Nunca vou esquecer que em 1968 ele pediu a Willy Gonser, chefe da equipe esportiva da B2 que me colocasse para transmitir o segundo tempo do amistoso Coritiba 2 x 0 Palmeiras de Blumenau que se realizava no Estádio Belfort Duarte. Eu estava no estádio, mas como não havia circuito para transmitir na época, a Rádio Nereu Ramos entrou em cadeia com a Rádio Clube Paranaense através das poderosas Ondas Curtas de 49 metros. E parece que não decepcionei porque depois do jogo fui convidado por Maurício Fruet para narrar na Rádio Emissora Paranaense, o que acabou não acontecendo. E José Domingos que foi deputado, diretor de futebol do Paraná Clube (torcedor desde jovem do CA Ferroviário) continua todas as manhãs das 7 às 9 horas na Rádio Barigui-AM 1560 (radiobarigui.com). Ele apresenta Comando da Manhã e no Mundo da Bola trazendo as notícias do momento e falando de muito futebol. A eles minha homenagem pelos relevantes serviços prestados ao rádio do Paraná.

Um comentário:

Toni Nicolas Bado disse...

Bem lembrado, Edemar. Em meio a alguns comentaristas muito diplomáticos que temos hoje no rádio de Curitiba, gostaria de poder ouvir nas transmissões de futebol José Domingos como comentarista e principalmente Durval Monteiro. Quando cheguei a Curitiba em 2006 Durval ainda comentava. Achava o máximo seus rompantes de nervosismo ao analisar jogos do Coritiba. Acho que é isso que está faltando, comentaristas que sintam como o torcedor. Se o narrador não pode ser tão "torcedor" assim, o comentarista pode, fica muito mais gostoso escutar uma transmissão tendo um comentarista "nervoso", como era Durval.