sexta-feira, 3 de agosto de 2012

TRANSMISSÕES ESPORTIVAS DIFERENCIADAS

A propósito de matéria sobre transmissão esportiva DUPLEX postada pelo jornalista Rodney Brocanelli no site Rádio Amantes achei oportuno o momento para escrever sobre os tipos de transmissões esportivas realizadas no Brasil nas últimas décadas. Desde que ouço rádio já ouvi quatro tipos diferentes de transmissões esportivas: a individual, meio a meio, duplex e carrossel.  

A mais tradicional é a individual quando o narrador (hoje substituído por locutores) transmite a partida por inteiro com o auxílio de comentarista e repórteres. A transmissão Meio a Meio foi ouvida nos anos 50 e 60 pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Jorge Curi e Antônio Cordeiro narravam as partidas meio a meio; cada locutor só podia transmitir as jogadas que se desenvolviam numa metade do gramado e o outro a outra metade.

O sistema DUPLEX surgiu no rádio do Rio Grande do Sul baseado na dupla Grenal. As rádios solucionaram um problema que ocorria quando os dois times jogavam ao mesmo tempo contra adversários diferentes. Criou-se então o DUPLEX ou transmissão SIMULTÂNEA. Em 1973 Osmar Santos e eu transmitimos em DUPLEX pela Jovem Pan as semifinais do Campeonato Brasileiro. Foi nos jogos Palmeiras x Internacional no Morumbi (Osmar) e Cruzeiro vs. São Paulo no Mineirão (Edemar). No Rio Grande do Sul o esquema deu certo e já está sendo empregado em outras capitais brasileiras quando dois times importantes jogam ao mesmo tempo. Consiste em narrar ponto a ponto, isto é, narra-se até o desfecho de um lance desde que não seja um escanteio ou penalidade máxima. Encerrado o lance o narrador do outro jogo entra na deixa e narra o outro jogo. É claro que para isso o ideal é que os dois narradores tenham estilo semelhante incluindo vibração e velocidade na descrição dos lances.

E por último o sistema CARROSSEL implantando pelo gênio da comunicação brasileira Hélio Ribeiro na Rádio Capital de São Paulo. O nome surgiu pela aparição em 1974 na Copa do Mundo da Alemanha Ocidental do Carrossel Holandês implantado por Rinnus Michels na Seleção da Holanda. A transmissão do Sistema CARROSSEL era feito com três narradores. Os primeiros foram Jota Junior contratado junto ao rádio mineiro, Marco Antônio Matos da Nacional (hoje Globo) de São Paulo e José Carlos Guedes que havia passado por um estágio na Jovem Pan para onde retornou posteriormente. Esse tipo de transmissão era realizado por divisão de tempo para cada narrador. Nos anos 50 e 60 os repórteres postados atrás dos gols narravam a cobrança dos escanteios. Com isso muitos gols famosos não tiveram a narração dos grandes narradores da época e sim pelos repórteres. É isso aí.  

4 comentários:

JASouza. disse...

Em suma: nada se cria, nada se perde, tudo se copia...

mariotomazella disse...

Caro Edemar, só uma correção, os tres locutores que formaram o carrossel da Radio Capital em 1978 criado pelo gênio Helio Ribeiro foram: Jota Junior, Marco Antonio e Alfredo Orlando. Inclusive o Alfredo era o diretor esportivo e o diretor geral o Hélio Ribeiro. O José Carlos Guedes também fazia parte da equipe, mas era reserva. Abraços!

Mario Donizetti Tomazella
Novo Horizonte SP

EDEMAR ANNUSECK disse...

Obrigado Tomazella pela ajuda. Realmente eu esqueci que era o Alfredo Orlando contratado junto a Tupi que estava nos extertores de sua existência.

Anderson Cheni disse...

Boa lembrança Edemar, além do bom texto que mostra realmente como são as transmissões esportivas do rádio atual.
Grande Abraço.